Como você lida com as pessoas invisíveis diz muito mais sobre você do que imagina

Como você lida com as pessoas “invisíveis” diz muito mais sobre você do que imagina2 min de leitura

Os meus pais tiveram comércio do final dos anos 80 até a última década e eu, como todo bom filho de comerciante, fui atendente de caixa, garçom, trocador de fitas de vídeo game, entre outras profissões “invisíveis”.

Comecei a ajudar bem cedo, sei lá, com uns 3 ou 4 anos (hoje isso é um absurdo, mas antigamente não existia essa frescura), e nem notava o que significava essa invisibilidade. Era apenas o meu trabalho, tinham clientes bacanas e clientes babacas. Normal.

Foi depois de muitos anos, por volta dos 15, que comecei a perceber que o jeito como uma pessoa lida com aqueles que “não fazem mais do que sua obrigação” diz muito mais sobre elas do que eu imaginava. Facilmente dá para dividir as pessoas entre interesseiras e interessadas.

É muito fácil cumprimentar todo mundo na primeira classe de um voo ou em um baile de gala na prefeitura. Existem mil e um interesses relacionados a isso. Mas, quero ver quem dá “bom dia” para aqueles que não possuem nada a oferecer.

Olha que esse “nada a oferecer” é bem relativo também!

O porteiro do seu prédio pode ter boas histórias de quando era atleta. A faxineira pode ter a ideia de um futuro app bilionário. Ou ainda, o camelô que você ignora pode virar o maior apresentador do Brasil.

Na verdade, esses argumentos são uma porcaria porque só funcionam com pessoas interesseiras. Cumprimente as pessoas porque são apenas pessoas. Seja uma pessoa educada. Simples assim.

Lembre: como você lida com as pessoas invisíveis diz muito mais sobre você do que imagina e você provavelmente nunca saberá as oportunidades que perdeu por ser assim!

Para finalizar, uma tarefa de casa: comece a cumprimentar os “invisíveis”, um simples “oi, tudo bem?” ou obrigado”, pode fazer milagres! Teste isso por uma semana e depois me conte o resultado!

Tenho observado muita coisa feia e precisava dar essa dica/puxada de orelha aqui. Quem sabe desse jeito, as coisas melhorem 1%. Repasse essa ideia!

Robson Cristian

Profissional de marketing com os dois pés em tecnologia. Formado em Sistemas pela UDESC, é programador e marketeiro desde 2003. Atualmente, está finalizando o MBA em Finanças do INPG, trabalha em uma empresa de software e mantém um blog para simplificar o mundo dos negócios.