Pare de falar m* que você não sabe

Cresci atrás de um balcão de comércio nos anos 90 e convivi com as pessoas “mais inteligentes” do planeta.

Einstein? Leonardo Da Vinci? Thomas Edison? Capaz! Os meus clientes estavam acima de todos eles!

Como pensar o contrário sobre quem tem soluções para todos os problemas da Terra! Não é?

Entre um gole e outro de pinga, vermute e catuaba, acabavam com a fome, eliminavam a violência, resolviam as tretas da mobilidade urbana e até salvavam os seres humanos da extinção.

Política? Isso era moleza… tão fácil quanto conduzir a seleção brasileira de futebol. Até hoje não sei como perdemos todas as copas desde 2002… os caras “sabiam tudo”!

Acho que a “melhor ideia” que eu ouvi foi de um cidadão que queria colocar todas as pessoas em uma nave em 1999 porque o mundo ia acabar na virada do milênio.

“Molezinha” colocar 6 bilhões de pessoas (população mundial na época) em uma nave para algum planeta. Bastava fazer isso que tudo estaria resolvido!

Graças a Deus que o mundo não estava acabando e esse cara não foi designado para tocar o “projeto de salvação”!

Btw: o Elon Musk não frequentava a lanchonete dos meus pais não! Nem ele “sonha grande” assim.

Tudo muito ridículo, não é?

Maaaaas, será que não fazemos em certa medida esse mesmo tipo de coisa?

Gênios de primeira página do Google

Um grande erro que eu vejo hoje em dia, principalmente nas gerações mais novas, é confundir “saber que existe” com “saber de fato”.

Pode ser um resultado indesejado do ensino baseado em “estudar para passar nas provas”, efeito Dunning-Kruger ou até mesmo preguiça intelectual mesmo.

A galera decora e cita verbetes sem ter a menor noção do que realmente está falando. Pior, com a mesma autoridade que os meus clientes!

Essa é uma coisa que o Richard Feynman, nobel de Física, já tinha notado há uns sessenta anos quando visitava o Brasil.

Na ocasião, em uma palestra, ele pegou um livro que era usado na época para ensino de física elementar e notou a seguinte frase:

“Triboluminescência é a luz emitida quando os cristais são friccionados…”

Folheou um pouco mais o livro e não encontrou nenhuma informação prática ou experimental sobre. Apenas o significado de palavras em termos de outras palavras.

Quais cristais emitem luz? Por que eles emitem luz? Nadica de nada! Apenas verbetes para memorização, coisas que seriam cobradas nas provas.

Qualquer idiota com um pouco de esforço decora:

“Marketing é a ciência e a arte de explorar, criar e entregar valor para satisfazer as necessidades…”

Mas e aí, será que consegue colocar esse “conhecimento“ em prática do jeito certo?

Temos tantos especialistas em tudo no mundo que eu nem sei como ainda existem problemas não resolvidos!

Com 1 milhão de economistas (um chute meu) não nos livramos da crise de 2008, mas agora qualquer um vomita “10 dicas para evitar uma crise econômica global” com muita autoridade.

É muito fácil falar o resultado do jogo depois que acabou a partida!

Como não passar vergonha

Agora que você já sacou o quão feio é bancar o sabichão (sem saber nada), vou te ensinar um “truque mágico, incrível, sensacional para viver mais e melhor”.

Quando você não souber alguma coisa, fale: não sei.

Não gosta de falar “não sei” ou fica com o ego feridinho? Emende com um “me ensina” ou troca para “ainda não, mas posso aprender/descobrir”.

Fale abertamente quando é um chute.

Você não precisa saber tudo sobre tudo! Eu sei o quanto é difícil aceitar isso, mas YOLO! ;)

O que é simples e o que não é simples?

Simples não é meia boca, pela metade, o que conseguiu fazer até bater a preguiça. Simples é pequeno e completo.

Uma coisa simples é muito diferente de uma coisa simplista.

A simplicidade está em não fazer o que não precisa. Não usar recursos que não são necessários. O excesso é um desperdício.

Quando a Fernanda e eu pensamos no Reuniometro, tínhamos um objetivo: alertar sobre o dinheiro gasto com reuniões para cada um decidir se estava ou não fazendo bom uso desse recurso.

Assim que pegamos para criar essa ferramenta, percebemos que algumas coisas poderiam ser simplificadas! Definimos uma jornada de trabalho de 220 horas e 80% de encargos.

Todos os funcionários trabalham nessa jornada e todas as empresas pagam esse mesmo percentual de encargo? Óbvio que não!

Mas, dessa forma ficou pequeno e completo. Simples!

Quem quiser exatidão, poderá usar uma outra ferramenta que estamos desenvolvendo.

Será que o que você se comunica de forma simples ou simplista?

O que fazer da vida a partir de agora?

Para de falar m* que você não sabe! :)

Ah, e me segue no LinkedinInstagramFacebook Youtube.


Compartilhe com pelo menos 5 amigos. Se não, você terá que ouvir mais m* deles do que o normal.

Robson Cristian

O cara que criou esse blog! :)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *